terça-feira, 22 de março de 2011

Caderno de Esboços II, 04 de fevereiro de 2008

"O amor não é uma moeda de troca. O amor é um fim em si mesmo. E eu não preciso de alguém que me ame, preciso de alguém para amar. Não quero alguém que sofra por mim, quero alguém que eu possa fazer feliz.


Quero pensar nele 24h por dia e lisonjear-me com cada vez que ele se lembrar da minha existência. Quero dar-lhe jardins floridos inteiros e me emocionar com cada flor que ele me oferecer. Quero deleitar-me com cada bocado que ele saboreie dos meus pratos, demonstrando satisfação, e surpreender-me com cada rara vez que ele resolver me dar algo de comer na boca.


Quero massagear-lhe o corpo e a alma, desatar os nós de seu espírito, subir-lhe a auto-estima, comemorar suas conquistas, incentivar seu sucesso, enaltecer seus talentos, realizar seus sonhos, mudar sua vida.


Eu me deliciaria com cada sorriso dele, me comoveria com cada gesto de carinho e me embeveceria com cada vez que meu nome saísse de sua boca.


Deixar-me amá-lo é a maior retribuição que ele poderia me dar."

Um comentário:

Anônimo disse...

Oi foi a 3ª vez que li o teu espaço online e gostei imenso!Bom Trabalho!
Até à próxima